Este blog é dedicado aos meu amigos e a pessoas que tenham curiosidade de saber como é trabalhar em um cruzeiro.
Postarei aqui todas as minhas descobertas, desde a contratação, treinamentos, dificuldades e claro, diversão a bordo! Espero que curtam!


quinta-feira, 7 de abril de 2016

SER UM YOUTH STAFF NA ROYAL CARIBBEAN


 
Olá pessoal, hoje falarei de um assunto um pouco diferente, porém englobarei um assunto geral, aplicação, apesar de já ter falado sobre o assunto no blog, isso foi há 5 anos, então provavelmente algumas coisas possam ter mudado, por isso, bora falar novamente.

O assunto principal veio de um seguidor do meu blog chamado Rudolph, ele me chegou com umas 200 perguntas porque estava aplicando para a posição, eu fiz respondi o que pude e com um trabalho de pesquisa que ele lançou no “Crew Life” resolvi colocar tudo em um post... :) Valeu galera do “Crew Life”

Bem primeiramente, vamos falar o que é ser um Youth Staff (monitor infantil), são aqueles anjos que amam criança e tenham paciência de cuidar dos filhos dos outros... (perceberam que eu não curto crianças, né?)

Mas não basta apenas amar crianças para aplicar para a posição, assim como Sports Staff (monitor esportivo) você precisa ter um curso universitário para a posição. Qualquer um na área da educação, já para esporte na área esportiva. É a primeira coisa que eles vão checar, para nursery, você precisa ter um curso para cuidar de bebê, este curso é dado a quem se interessa pela posição em Miami, a companhia paga o curso, passagem e estadia, normalmente agendado enquanto você está embarcado, basta se informar com o seu gerente, Adventure Ocean Manager.

Para aplicar, existe um site da Royal

http://www.royalcareersatsea.com/



Parte triste:

[Aqui você pode aplicar para qualquer posição a bordo, muitas infelizmente o encaminharão para as agências, ou a agência, que toma conta de um milhão de pessoa e você passa a ser apenas um número. Eu apliquei direto, mas meu contato saiu da empresa, então não tenho mais o e-mail. :(

As agências ganham para colocar você na empresa, muitas vezes te oferecem um curso desnecessário, tipo agência de modelo, para te enganar, e tomar o seu dinheiro, infelizmente isso é Brasil... Por isso, verifique se o curso que você está fazendo é necessário mesmo ou apenas um engana trouxa.

Na Royal você precisa fazer, se for brasileiro, o STCW. Eles vão te dar o curso novamente a bordo e de graça, mas é uma lei da marinha brasileira que cada tripulante brasileiro tenha que fazer este curso em terras brasileiras, aí se vão uns 1000 reais...]

Voltando... Aplicar para Youth Staff, DJ, Cruise Staff ou Sport Staff talvez não seja tão rápido quanto aplicar para posições de crew como bar, restaurante ou limpeza. A resposta é simples, número de vagas por setores.


Nós (Staff) ganhamos salários fixos, diferentemente do Bar, Restautante e Housekeeping que recebe por gorjeta e tem um mínimo BEM BAIXO. Eles normalmente têm um salário mais alto que o nosso (mas dependendo do itinerário, eles se dão bem mal) por isso precisam sempre pagar as passagens de volta para o navio . Staff paga apenas a primeira passagem aérea de ida, e para o resto da sua vida no navio, eles bancarão todas as outras passagens. (Se você desistir, eles não perdem dinheiro com você) Você pode comprá-la com recursos próprios, ou a empresa compra e você tem que pagá-la a bordo, num período estimado por cada navio, direto ao Financial Controller.
Na hora da entrevista seja profissional, bem vestido, camisa social e gravata não é exagerar, barba bem feita, e maquiagem leve para as mulheres, você está em busca de um emprego, e mostrar que você teve ao menos o trabalho de preparar o ambiente e sua aparência é o mínimo para mostrar seriedade, eu digo ambiente, porque a entrevista é feita por Skype, então mova móveis, mande a família sair para tomar um café na casa da vó, e que o local esteja bem iluminado e silencioso. Basicamente não cague! RS Ah, você não verá o rosto da pessoa, somente ela poderá ver você, isso foi o maior choque que tive na entrevista... Mas, eles foram muito legais, pacientes, para posições específicas bem técnicos (restaurante, bar, dj), sabem que você está nervoso, mas não demonstre nervosismo. Hehehehe

Internet estável é bom e eles gostam... Ou seja, vivo 2MB pega mal, rs

A data e horário da entrevista é agendada por e-mail, eu estava pronto há mais de meia hora antes, como eles agendam com alguns candidatos ao mesmo tempo, pode ser que aconteça antes ou depois do horário agendado, pra mim foram os 15 minutos mais demorados da minha vida.

Entrevista é 100% em inglês, para posições em que você vá ter contato direto com o passageiro Guest Service, Cruise Staff, Sports Staff ou Youth Staff, inglês fluente indispensável, para outras, é bom sobreviver, o inglês na Royal é a primeira língua e obrigatória, o que você tiver de extra, é melhor, eu falo japonês e espanhol, isso me dá direito de fazer todos os itinerários que a Royal abrange (Já fiz todos em 5 anos) aliás, menos o itinerário brasileiro.

Curiosidades: para 2017 a Royal não terá temporada brasileira, por vários motivos que eu não vou discutir aqui e perder o foco.Isso não quer dizer que você não tenha chance de entrar, a Royal não faz Índia nem Filipinas como itinerário fixo, mas é a maior nacionalidade abordo. Você apenas não terá que ficar num navio cheio de brasileiros. Acho que é bom...

Se você for reprovado, você terá duas opções, aplicar para outra posição, ou se preparar melhor e aplicar novamente, se a agência te reprovar, aplique direto na empresa, não se deixe abalar… :)

Uma das perguntas de Rudolph foi a de quanto tempo demoraria do cadastro ate a primeira entrevista, segundo a Nathalia Marques do Crew Life a resposta foi "Atualmente demora em média 10 -15 dias para a cia mandar o convite da entrevista preliminar qdo o processo é feito direto pelo site no caso ⚓️” a minha demorou uma semana, e me deram um mês para a minha contratação, tempo de fazer exames médicos e STCW.

Youth Staff tem um contrato menor que os outros, 5 meses, sendo que no primeiro você tem uma primeira avaliação aos 30 dias e outra aos 90 para ser um empregado contratado pela Royal, se você fizer merda nesse período, ou não demonstrar interesse, você poderá ser enviado para casa, lembre-se que você está aprendendo e a trabalho, quando você entender o ambiente aí você relaxa.

Nós, Youth Staff, Cruise Staff, Sport Staff e DJ, possuimos 2 stripes, o que te dá direito a algumas regalias, como ir ao Spa, Bares, Restaurantes, piscinas, Spa, ou seja Guest Area. Isso é prático.

Na Royal a diferença entre crew e staff é quase nenhuma em área de crew, poucos navios ainda continuam com o formato antigo de Crew Mess e Staff Mess (discriminação desnecessária), porém nos navios mais novos ou menores, não existe nenhuma diferença, somos todos família.  :)

Cabines, normalmente e dividida em 2 pessoas, nunca ouvi falar em mais pessoas dividindo a mesma cabine na Royal, algumas pessoas podem ter uma cabine single shares, são cabines individuais, porém menores, só existem em navios novos da classe Oasis e Quantum, eu mostro a minha cabine num post anterior sobre Vida de Cruise Staff.

Todos nós tripulantes temos 100% de cobertura sobre saúde, medicamentos e tratamentos todos dados abordo, sendo que oftalmo, óculos e lentes ficam por conta do tripulante assim como odontologia. Se, por má sorte, sofre um acidente a bordo e você fique inválido por um período, a empresa pagará o seu tratamento e um salário simbólico, um pouco menor do que o seu salário abordo. Muitas vezes o tratamento é feito no porto mais próximo com estrutura necessária, saídas para médicos especialistas também são cobertos em terra firme. Segundo Djiulli Beumer do "Crew Life” tempo máximo de 4 meses.

Bem, espero que eu tenha tirado um pouco das dúvidas, obrigado em especial ao Rudolph e ao “Crew Life” por me ajudar neste post.

E uma dica bem pessoa, entre na posição em que você quer exercer, não desista ou mude sua opção, lá dentro é sim possível de mudar, mas ninguém te ajuda, e se você entra na posição certa, sua vida a bordo é muito mais gratificante, e talvez você possa tornar esta aventura em uma carreira de sucesso.

FUI!



sexta-feira, 11 de março de 2016

CABINES SINGLE-SHARE.

Oi galera, esse vídeo foi de 2013, eu morava numa Single Share, "novas" (hje não mais novidade) cabines da classe Oasis e Quantum
A cabine é minúscula, mas a sensação de morar só é única.
Ninguém liga a luz na sua cara, você dorme quando quiser, ninguém toma a sua coca da geladeira ou reclama da sua bagunça.
Isso não quer dizer que você tenha que morar nessas cabines minúsculas, também tem as de tamanho normal, e elas são bem disputadas. A forma de conseguí-las varia de navio pra navio e de divisão pra divisão.
Trabalhei no Oasis e Quantum da Royal e nos dois navios eu morei em Single-Shares. 
Single, porque você mora só e Share porque você compartilha o Banheiro...
Ao entrar no Banheiro, você precisa fechar a porta que dá acesso a cabine do seu vizinho, normalmente ela já está lacrada pelo lado de dentro do vizinho. Mas se ele quiser entrar no banheiro, ele não conseguirá, a não ser que tenha uma chave de fenda para abrir na força em caso de emergência.
Ao sair você precisa destrancar a porta do vizinho, fecha a sua e tranca pelo lado de dentro do seu quarto, assim, ninguém tem acesso a sua cabine.
Só explicando aqui, porque eu morria de dúvida antes de entrar em uma.
Espero que gostem...
:)
video

segunda-feira, 7 de março de 2016

AS FÉRIAS DE TRIPULANTE

Viajamos o mundo todo, descemos nos mesmos várias vezes, o suficiente pra conhecermos pelo menos ao redor do porto muito bem, sabemos onde comer a melhor pizza em Nápoles, a melhor praia em Fiji, ou onde ver cangurus em Brisbane. Conhecemos os transportes públicos e até somos fregueses assíduo de motoqueiros no Vietnam.


E a pergunta que não cala, qual é o lugar que você mais gosta? Sinceramente, não sei! Hoje eu já conheço 63 países, amo quase que a maioria deles. Viveria em vários, mas não consigo dizer qual é o meu favorito. Em cada parte do mundo tive a oportunidade de ter um gostinho do que cada cultura me oferece e amo todas.

Nós basicamente passamos o ano viajando (trabalhando) e as férias em casa! 
Espere aí, EM CASA?! Não!!! 
Férias foram feitas para viajar, por isso, viajamos novamente. 

Todo final de contrato, gasto o dobro de internet no navio (que não é barato), cerca de 60 dólares para 500 minutos de internet, para planejar minhas próximas férias.

Neste verão não foi diferente, fiz a mesma coisa, comecei a buscar fotos na internet de lugares paradisíacos, e me deparei com esta imagem:
Lago Bled, na Eslovênia. Aeroporto mais perto: Lubljana (capital da Eslovênia).

Fui e comprei a passage para passar 20 dias na Eslovênia, fechei um Hostel e contei meus planos para alguns amigos do face.

Não deu 1 dia, duas amigas entraram em contato, dizendo que estariam de férias e que uma morava na Eslovênia e a outra na Áustria. Me informando que eu ficaria na casa delas.

Primeiro para a minha ignorância, não havia nem pesquisado onde ficava a Eslovênia, nem sabia que a Áustria era logo acima. Eu estava preso a esta linda imagem do google.

Achei um absurdo uma amiga da austríaca vir me buscar no aeroporto de outro país de carro para me levar a sua casa, mas aceitei o gentil convite.

Entramos no carro, e ela me pergunta, quer jantar na Itália?
Eu: O QUE? Você está louca? Você já me veio buscar de carro, e quer me levar para outro país? Não, vamos a sua casa, você não vai gastar nada. Então ela me levou para a sua casa. Demorou 40 minutos para chegarmos à Villach, basicamente dirigimos de um país ao outro, num tempo que eu chegaria da minha casa ao centro da cidade num dia comum em São Paulo (Trânsito). Detalhe, a Itália ficava há 30 minutos dali. hahahahaha 

Passei 10 dias na Austria e 10 na Eslovênia.

Foram 20 dias atravessando o País, rodei a Áustria inteirinha com a Lisa, a coisa mais linda desse mundo, uma ex Youth Staff, que eu trabalhei no meu 1º e 3º contrato (Mariner of the Seas e Oasis of the Seas). Éramos grudados, sentávamos no corredor até de madrugada para ficarmos conversando. 

Me hospedei em sua casa, conheci seus pais, sua mãe é uma fofa toda tímida, seu pai um comédia, com um ótimo gosto musical. 
Do Brasil eu trouxe tanto para a Lisa quanto para a Misha (amiga eslovena) um 2 pacotes de massa para pão de queijo e uma cachaça.
No almoço na casa dos pais da Lisa fizemos o Pão de queijo, a mãe dela amou, e queria importar a massa. Não é que ela achou um lugar que entregasse na sua casa? Cada dia fomos a um lugar, o tempo foi maravilhoso, sol todos os dias, fomos a castelos, lagos, parques...
Em Salzburg conheci a casa do Mozart, tomei o seu licor, comi muito chocolate... Fiz compras, etc.
Durante toda a minha estadia na Áustria, fui banhado de café, vinho e comidas maravilhosas, e claro uma bebida muito gentil chamada "Rôla", sim isso mesmo, eu fiz a mesma cara quando a mãe dela me perguntou: você quer tomar uma rola? Eu não a respondi na hora, só depois que eu descobri quer era um suco de flores. 
Eu tomei e amei a "rôla" ou melhor suco de "elder-flower" ou em portugues, flor do sabugueiro... (sabugueiro... rôla... ts ts ts)

Eu fazia comida japonesa e ela cozinhava comidas típicas da Áustria, que troca interessante, não?

Enfim, resolvi fazer um dos vídeos na Áustria quando fomos para Carinthia, em um parque que eu nem vou me arriscar a soletrar, vocês virão no vídeo, o tamanho do palavrão.

Espero que gostem:
Depois de uma encantadora passagem com a Lisa pela Áustria, chegou a hora de dar tchau, e ir para a Eslovênia, país que decidiu a minha viagem. 

Meu destino era Bled. Misha ficou de me encontrar na estação de trem, depois de 40 minutos de trem cortando os Alpes, chego a uma cidadezinha minúscula, e toda jeitosa.

Lá estava Misha com o carro de sua mãe, toda atrapalhada e cheia de flores no cabelo.
Trabalhei com a Misha no Rhapsody of the Seas e passeávamos pelo Alaska (WOW), a nossa equipe foi a mais unida em que eu trabalhei, todos trabalhando como um time, ou melhor uma família. Não havia melhor nem pior, éramos os melhores juntos! Eu, Ibby, Patricia, Rina e Misha... Saudades...

E lá estava a poeta, cantora, bailarina, linda, Misha.
Entramos no carro e fomos direto a Bled, lugar mágico assim como na foto. 

Um lago com uma pequena ilha no meio, dentro desta ilha uma capela, ao lado do lago num pico um castelo, tudo isso rodeado de verde.
Vejam a foto que EU tirei com o meu celular:

Já instalados no hostel, no qual ficaríamos por 3 dias, fomos ao castelo, de lá tive uma visão maravilhosa do entardecer do lago. Tudo parecia um quadro, não me parecia real.

Mas sim, era tudo mais que real e melhor em cores e ao vivo. O tempo não estava limpo, o que deu um toque charmoso àquela cidade. 

Fomos a um café e ela me apresentou o que eu chamo de "perfeição", a Kremšnite (Cremixita). Uma massa folhada polvilhada com açúcar recheada com creme de baunilha e chantilly, coisa dos Deuses. Eu devo ter comido uns 10 pedaços durante minha viagem, e não vejo a hora de voltar para comer novamente. Sim sou gordo mesmo!!!

Depois de me entuchar de Kremšnite, resolvemos queimar calorias, alugamos um barco a remo e fomos remar pelo lago, fomos até a igrejinha no lá no meio, parecia tão perto, mas que lugar longe quando se vai remando...

Os dias passaram voando, entre um café, 5 Kremšnite, e uma taça de vinho, saimos de Bled, e fomos à capital da Eslovênia, Lubljana (Lubliana). 
Em tamanho, é comparável a Campinas, grande, porém pequena, com um castelo imenso e um rio cortando a cidade, Lubljana se mostra muito charmosa e com muita ente bonita.
Assim como a Lisa, Misha resolveu me levar para passear e conhecer o país inteiro, que não deve ser maior que o estado do Rio de Janeiro. 
Conheci o lindo litoral (único) chamado Piran. Lá almoçamos e nos divertimos pela cidade com uma pitada italiana, já pertenceu à Áustria, Itália e após a 2ª Guerra Mundial passou a ser de propriedade da Eslovênia (nossa fui fundo)...

Enfim, é lindo e gostoso de passear por lá.

Resolvemos fazer um vídeo num Castelo muito charmoso com um nome bem difícil de se soletrar também...

O vídeo começa com eu e a Misha no carro, a Misha como toda mulher que se presa, não presta tanto atenção no trânsito, mas eu voltei vivo para contar a história que vivi nestes 20 dias de Europa.

Espero que também gostem ;)

domingo, 24 de maio de 2015

5 hours delay flight from Tianjin to Hong Kong!

Oi pessoal, bem essa é a continuação da saga de Tianjin (China) ao Brasil!!!

Após a chegada bem tarde de ontem da cidade de Tianjin, fomos dormir e acordamos às 5:15 AM para tomar café da manhã. nos despedimos de Elizabeth, nossa amiga, e fomos de volta ao quarto para arrumar as malas, afinal nosso ônibus para o aeroporto chega hoje às 7 da manhã...

Depois de arrumar tudo, fomos ao saguão do hotel e nos preparamos para o transporte até o aeroporto.
Bem do hotel até o aeroporto foi bem longa, não sei ao certo quanto tempo durou porque eu dormi o tempo todo... 


Mas ao chegar ao aeroporto, só queríamos tomar um café para ver se acordávamos, afinal de contas, só poderíamos fazer o Check-in após as 11:30 AM.

Tomamos o café, esperamos o portão para check-in abrir, e fomos direto a fila, que formamos, pois o guichê estava fechado. 


Durante a hora que estávamos aguardando, havia um grupo de chineses que estavam se organizando para pegar o mesmo voo que o nosso, eles falavam muito alto, mas o mais interessante foram os "snacks" que eles comiam enquanto aguardavam, PEPINO, sim algumas das passageiras tiraram da bolsa um pepino e começaram a comer, bem saudável e bem engraçado

Depois de quase uma hora, eles abriram, fomos os primeiros a fazer o check-in...

Primeiro o Herachya, ele estava com tudo certo, bagagem no peso adequado e somente uma mala de mão.

Depois Sylvia, ela tinha apenas uma mala, que estava fora de tamanho, o cara da companhia aérea não disse nada, mas como o segundo voo dela pertencia a uma companhia que não possuía convênio com a Air China, empresa que estávamos voando, ela foi informada que haveria que refazer o check-in em Hong Kong. Ela ficou tão nervosa que começou a chorar e rir ao mesmo tempo, queria muito ter tirado uma foto para guardar o momento, mas estava muito cansado... 

O último foi eu, eu estava em apuros, pois possuía 3 malas de mais de 30 KG cada, e só teria direito a trazer 1 de 24 KG, fui super respeitoso com o atendente, e ele comigo, me fez a pergunta que eu não queria responder, quantas malas o senhor possui? Eu disse, 3. Ele começou a coçar a cabeça, e me disse, eu posso despachar 2 se você tiver o "Sea Man's Book" um registro de marinheiro, que eu tinha; mas e a terceira??? eu não estava afim de trazer aquela mala pesada no avião, nem queria jogar minhas roupas no lixo, como já fiz muitas vezes. Bem eu disse a ele uma das maiores mentiras quase chorando, que eu sempre vôo pela Air China, e que eles sempre me liberam a terceira mala por conta do "Sea Man's Book", ele coçou a cabeça e me disse está bem, mas da próxima vez traga apenas duas. Eu disse sim senhor, e saí quase chorando...

Ao entrar no avião, vcs terão a história contada em vídeo.
É a parte mais engraçada da viagem...
Atraso de 5 horas, vinho, risos, choros, mandarim, sono, festa, são algumas das coisas que rolaram nesse vôo.

Bem boa viagem!

sábado, 23 de maio de 2015

Apenas uma noite para se aventurar na China!


Hoje é dia de desembarcar na China, depois de um longo contrato entre Europa, Caribe e Ásia, sim 3 continentes num só contrato, é dia de voltar pra casa, mas com direito de uma pernoite na China com meus melhores amigos. Isso deixa tudo mais excitante!!!

O desembarque na China foi um dos desembarques mais complicados que já tive, acordei às 5 AM para receber meu pagamento e tomar café, saí de minha cabine lá pelas 8 AM e saí do navio lá pelas 11 AM.



Esperamos por mais de 2 horas no terminal esperando a liberação da imigração, uma vez liberados, fomos ao ônibus que nos levaria até o hotel.




Pensei que o hotel ficasse na cidade de Tianjin, então fiz uma busca para ir até a famosa Cidade Proibida, isso me custaria alguns dólares e uma hora e meia de trem, nada mal. Se quisesse ir até a Muralha da China, chegaria em 3 horas. Com todos os destinos impressos no papel, fui ansioso ao hotel, depois de duas horas chegamos ao hotel, ao redor... NADA! O hotel ficava longe demais do centro de Tianjin, bem Pequim ficou só na vontade... Já era tarde demais para ir tão longe sem ao menos falar a língua.



Ao chegar no Hotel tive que esperar até as 5:30 PM para comer, não aguentei e fui com o meu amigo (Herachya) trocar dinheiro, outra burocracia, depois de quase 30 minutos tentando, trocamos, e fomos ao mercado. No meio de pés de galinha como aperitivos e biscoitos de pato, achamos algumas coisas que se adaptaram ao nosso paladar, fomos até o quarto das meninas (Elizabeth e Sylvia).



Estávamos todos famintos e mortos, afinal a festa de despedida foi ótima! Comemos algumas bugigangas voltamos cada um ao seu quarto de hotel para tirarmos uma soneca e arrumarmos para o jantar... 


O jantar foi sensacional, lá pelas 6 PM estávamos com um papelzinho na mão que dizia, estação Tianjin e outro com o endereço do hotel. Fomos sem falar nada mais que Chie Chie (obrigado em chinês). Depois de 1 hora de táxi e 4 dólares por pessoa, chegamos à uma metrópole imensa! Tianjin Luzes, famílias prédios gigantes, um rio que dividia a cidade com pontes maravilhosas, sim estávamos na China, sem saber o que fazer, afinal a nossa pesquisa não foi nada direcionada a Tianjin e sim a Pequim... Bem já que não sabíamos de nada fomos no improviso.



Estávamos com vontade de dançar, comer e beber...

Bem, dançamos na rua, comemos no supermercado, bebemos no taxi de volta para o hotel, mas tivemos um dos melhores momento do nosso contrato. Momentos mágicos no meio de uma cidade desconhecida que se tornou tão aconchegante e divertida sem fazer nada mais que caminhar por algumas horas.



A Elizabeth minha alma gêmea, desembarcou comigo, esse era o nosso terceiro contrato juntos, e ela viajaria mais cedo que nós três amanhã para a Inglaterra... Não sei quando serei capaz de me reencontrar com essa turma novamente, pode ser daqui a 3 meses ou nunca mais, mas tivemos o dia de nossas vidas em Tianjin.

Já o Herachya e a Sylvia ainda temos muito o que fazer, amanhã iremos no mesmo vôo até Hong Kong e teremos 7 horas para desfrutar outra metrópole. Uhuuuuuu

Não vejo a hora de chegar!




Bem fiz um vídeo de hoje, espero que gostem!



Beijos e até a próxima!!!

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Amigos em Taiwan


Este é um episódio em que dois brasileiros, paulistanos, fazem um turismo gastronômico ao redor de uma pequena cidade litorânea de Taiwan, Keelung.
Com uma noção “quase” zero de mandarim, tentam desvendar os tão falados ideogramas chineses.
O trabalho em um navio asiático, lhes deu o mínimo de conhecimento em “chinês”, obviamente não foi suficiente para uma boa comunicação, mas o bom humor e a curiosidade pela cultura ocidental, fez com que Flávio e Ivan, desfrutassem ao máximo esse momento único.

Uma fotografia da vida de dois brasileiros que são mandados para a ásia em um cruzeiro marítimo, tudo seria bem diferente se estivessem na Austrália, ou até mesmo em Barcelona.

Exotismo e muita diversão é o que banha este vídeo.

As pérolas de Taiwan com dois amigos brasileiros.



quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

BASTIDORES DE VIBE*OLOGY - O SHOW DO SERENADE

Olá, faz um tempo que eu não posto nada aqui, mas acabo de fazer um vídeo dos bastidores do show VIBE*OLOGY.

Faz 5 contratos que tento fazer um video desses, mas sempre tive um obstáculo. Nesse contrato, eles me autorizaram a assistir o show da coxia. 

Os dançarinos sempre me diziam que a troca de roupas nos bastidores era bem rápida, mas eu não fazia idéia do quão rápido a coisa acontece por lá.

O vídeo está em inglês, já que eles me pediram o video para passar antes do show, mas eu vou traduzir e viabilizar a legenda em alguns dias.

Espero que vocês gostem.

As imagens foram capturadas em 1 dia e a edição feita em uma semana, nos meu horários livres durante um cruzeiro de Natal, que não é muito tempo. Mas acho que o resultado ficou aceitável. hehehehe

Até a próxima!


quarta-feira, 29 de maio de 2013

A VIDA NO OASIS OF THE SEAS


CABINE DE CONTROLE
CADEIRA DO COMANDANTE
Quando recebi o convite de trabalhar no maior navio do mundo, confesso que fiquei um pouco assustado, afinal era O MAIOR!
Pensei em recusar o convite, mas ainda estava em meu terceiro contrato, e a essa altura, recusar não é a melhor das coisas a fazer.
Conversei com meu "activities manager" que já havia feito um contrato no Allure, que é exatamente uma cópia do Oasis, navio que me havia sido oferecido. Ele me explicou como funcionava a cidade flutuante, me encorajou a aceitar o contrato e assim o fiz.

Durante minhas férias pesquisei muito sobre o navio, fiquei simplesmente encantado por pela mistura de tecnologia, conforto e luxo. Mas será que para nós, tripulantes, isso também se repetiria?
Eu sou um amante da minha profissão, não preciso muito de luxo para estar feliz, mas não ficaria nem um pouquinho chateado se isso realmente se repetisse a área da tripulação.
CREW GYM

Dito e feito, ao chegar, já vi que o navio tinha de tudo e mais um pouco.
CREW BAR
refeitório bem completo, que se assemelha com o Windjammer, local que os passageiros comem, academia mais que completa, sala de jogos, três bares, biblioteca, lan house, enfim, muito bom. Temos tudo isso em outros navios, mas no maior do mundo, a escala é proporcional e muito mais requintado.

Agora, como seria o trabalho?!? Também acompanha o tamanho, tudo é muito grandioso, atividades sempre cheias, porém muitos trabalhos secundários também. 

Mas a carga horária de trabalho era quase que semelhante aos outros, apesar de ter fama de ter muito mais trabalho.
CRUISE STAFF TEAM

Somos todos animadores, e nos trabalhos secundários, ficar nas entradas dos teatros, agendar shows, dirigir um bar que sobe e desce ou controlar a multidão faz parte do nosso plano de trabalho.

Eu tive a sorte de ser escolhido como Theme Night Dance Captain, era basicamente responsável pelas aulas de dança e noites temáticas do navio. Isso fazia com que eu não ficasse entediado com as portas e bares flutuantes, hehehehe...

Este vídeo, mostro um pouco de como era meu dia a dia no Oasis, minha cabine, minha maratona diária.

Lá eu dava aulas de salsa, merengue, rumba, latina, cha-cha, Lady Gaga, Michael Jackson, Hair Spray (musical), country, samba e forró, o que a Melissa, antiga Theme Night Dance Captain não me ensinou, tomei aulas particulares com o Youtube, ele é ótimo, por sinal. Além das aulas, era responsável por três noites temáticas, como a festa dos anos 70, Twenty's e Scape, sem contar na assistência ao Activities Manager com a organização das entradas de shows. Além do trabalho como Cruise Staff comum que eram as paradas e apresentar jogos e animações, quando me sobrava tempo.

Espero que gostem!

domingo, 31 de março de 2013

DESCOBRINDO SHANG-HAI

Shang-hai, ou Xangai, é uma imensa cidade, impossível de se conhecer em um único dia, esse foi o meu primeiro dia na China, e tudo pra mim era uma novidade.

Para minha surpresa quase que 0% de pessoas falavam inglês nesse bairro que fui, chamado "Chi-pu-ro", fiz tudo que os guias turístico dizem para não fazer. 

Comi comida de rua, comprei produto "popular", pra não dizer falsificado, e me diverti demais. 

Cada comida que eu provava, tinha um sabor único. A maioria era composta por massa e carne. Procurei não me atentar à higiene, afinal não sou fiscal, hehehe

Essas três  garotas que aparecem no vídeo comigo, Linda, Caroline e Kitty me ajuraram a descobrir cada pedaço deste tradicional bairro. 

Sem elas não passaria de mais um porto, por conta disso, se tornou um dos meus favoritos. Não vejo a hora de voltar pra lá!!!

Nós nos divertimos pra valer, como eu não falava nenhuma palavra em mandarim, elas traduziam quase tudo que eu falava, o resto eu tentava na mímica! E dava certo.

Espero que gostem    :)

sábado, 30 de março de 2013

O MAIOR NAVIO DO MUNDO!?!? PARTE 01


Quando me veio a proposta de trabalhar no maior navio do mundo, confesso que fiquei bem assustado, pensei em recusar o contrato, pensei em pedir outro navio, mas deixei a vida me levar, aceitei o contrato (recebemos o próximo contrato em média duas semanas antes de terminar o contrato vigente, podemos aceitar ou finalizar o contrato com a companhia). 





Tive dois meses e meio de férias entre um e outro contrato, malas prontas, bora pra Miami.



Um beijo em todos da família e até daqui 6 meses!




O OASIS OF THE SEAS parte de Ft. Lauderdale - FL., ao chegar em Miami, após fazer check in no hotel, fui fazer umas compras, e ali descobri que 99% das pessoas que eu encontrei, falavam espanhol. Sim, são cubanos naturalizados americanos que estão por toda parte. Depois de 3 meses falando japonês todos os dias, pensei que seria minha chance de relembrar o inglês, diria que deu pra treinar o meu espanhol por lá... E olha lá! ehehehehe



7 horas da manhã do outro dia e eu e meu macaquinho já estava acordado, de café da manhã tomado e esperando o ônibus que me levaria para o porto. 

Não conhecia ninguém da equipe que aguardava pelo mesmo comigo. Não conversei com ninguém, fiquei só analisando cada um deles. Sou um ser tímido ao primeiro contato, acreditem ou não.


Escutei pessoas falando em português, um rapaz e uma garota, Jardel e Fernanda, ambos Guest Service, puxei um papo rápido com os dois, mas eles "bufaram" pra mim, a Fernanda estava embarcando no Oasis pela primeira vez, já o Jardel era veterano do gigante. Ele estava tirando todas as dúvidas dela, que eram MUITAS. Quem dera eu ter alguém do meu setor para tirar dúvidas...
Os dois não pararam de conversar os 40 minutos de trajeto de Miami a Ft. Lauderdale. 

De longe avistamos o navio, sim ele se destacava dos outros que estavam ao seu redor. Meuuuu, era grande!

Passamos pela segurança do porto, demos os documentos, tiramos foto para o crachá, e direto a uma sala de espera ainda no porto. (procedimento padrão que muitas vezes acontece dentro do navio)

Nessa salinha esperei por mais ou menos uma hora, chega a Julie, uma inglesa que conhecia muito bem o navio, ela me passou o que seria meu contrato, exatamente com essas palavras.
- Você veio pra ser Cruise Staff? Você gosta de apresentar game shows, trivias, falar no microfone? Eu disse: - sim, essa é nossa profissão, não é? Pois é, aqui você faz muito "doors" (trabalho de porteiro nas entradas de shows), "doors", "doors" e se sobra tempo um trivia por semana. É bem diferente dos navios pequenos. 
Daí em diante ela continuou falando mas eu entrei no meu mundo "autista" via a boca dela mexendo e imaginando o que seria do meu contrato!!!

Bem, um dos gerentes da divisão de cruzeiro chegou para buscar a gente e levar para o nosso gerente. Éramos em 3, Eu, Julie e Krysten, uma americana que faria parte da equipe dos DramWorks. 
Patrício, meu gerente era um brasileiro de cabelos negros, aparentemente gente boa, que a princípio só falava inglês, por conta disso demorou para eu reconhecê-lo como brasileiro. A Julie conhecia o navio como a palma da mão dela, por isso foi sozinha para sua cabine, fomos deixar a Krysten em sua cabine e após levá-la, ele começou a falar em português comigo, levei um susto, nessa hora relaxei. O cara era uma das pessoas mais educadas com quem eu trabalhei até hoje.
O Patrício me deixou no meu quarto, me avisou a respeito do primeiro treinamento que eu teria, e disse para eu me organizar, que depois do almoço ele me ligaria para darmos uma volta pelo navio. 
Larguei minhas malas no meio da cabine e imediatamente fui andar pelo tal gigante em busca de uma pessoa. Lisa, uma austríaca que havia conhecido no meu primeiro contrato e que estaria trabalhando lá, mal eu sabia que encontrar uma pessoa dentro daquele navio, era como "encontrar uma agulha num palheiro", sorte ou não, a primeira pessoa com quem me deparo foi ela, saindo do refeitório e andando pela I-95 (rua principal que liga a proa até a popa do navio, presente em todos os navios da Royal Caribbean).


Lógico que o tour pelo navio foi com a Lisa, ela me mostrou todos os cantos do navio, confesso que não lembro de nada que ela me mostrou, aliás só fui me localizar no navio por volta de um mês depois trabalhando, mas tudo era muito limpo, perfeito e parecia sensacional. Pedi a ela que me levasse a minha cabine, porque não fazia idéia de onde era, e o Patrício havia ficado de me ligar. 
Outra grande surpresa, Lisa era minha vizinha.

Sempre que tínhamos tempo, ficávamos conversando até 2 ou 3 da madrugada sentados desse jeito no corredor.

Primeiro semana de trabalho, basicamente foi banhada de treinamentos e tentando conhecer o navio que tem 7 bairros. Sim, é tão grande que foi dividido em bairros para ser mais fácil de se locomover. 



Logo, Melissa, a "Theme Night Captain" (TNC), pessoa responsável pelas noites temáticas e danças no navio, me perguntou se eu gostaria de assumir a posição dela, já que ela sairia em breve.
Seria um tipo de trabalho extra, você exerce uma função e recebe por isso. Eu achei muito interessante, principalmente por ter direito a uma cabine só pra mim, minúscula, porém minha.
Aceitei o convite e ela começou a me treinar para a posição. 
O trabalho como TNC era totalmente o oposto do que a Julie havia me dito a respeito do Oasis, resumia-se em aulas de dança, e festas... WOW, isso seria sensacional.

Estava em minha primeira semana de contrato, a equipe era sensacional, formada por 10 integrantes mais o DJ, era um time mais experiente e unido. 

Comecei a realmente trabalhar no maior navio do mundo, a Melissa começou a me passar a parte burocrática do TNC, e eu comecei a desconstruir o monstro que havia criado em minha mente a respeito do Oasis...

Quando num belo dia, o Diretor de Cruzeiro do Legend of the Seas, último navio em que trabalhei na temporada asiática, passou a me escrever dizendo que eu teria que voltar ao à Ásia. Fiquei bem confuso, agora que estava me acostumando com aquela loucura, teria que ir ao Japão?!? Maravilhoso, porque eu viria todos meus amigos, no melhor navio que já havia trabalhado, mas um pouco triste ter que deixar aquela turma que me acolheu tão bem... 
Fui direto ao escritório falar com o Patrício, ele me informou que sabia de nada a esse respeito, escreveu para a agendadora, tampouco ela sabia. Mas "Dan", o Diretor de Cruzeiro do Legend, me escrevia todos os dias como que se fosse certo, quando no final de semana veio a confirmação do meu novo destino. no meio do próximo cruzeiro eu partiria em direção a Tóquio. 
O time ficou bem chateado, pelo menos é o que eles me mostraram, hehehehehe, eu comecei a fazer as malas, mas para ter certeza que eu voltaria deixei uma mala cheia no Oasis, assim, eu teria certeza de que voltaria. Afinal a temporada japonesa não passava de duas semanas. levei a menor mala possível,, só com meus uniformes, uma calça jeans, duas bermudas e duas camisetas. (que por sinal, é o que necessitamos durante um contrato inteiro de 6 meses, eu até reduziria a uma bermuda).

Desci em St. Thomas e fui num vôo quase que direto a Tóquio. cheguei no Japão às duas da tarde, e o navio partiria às quatro... em duas horas depois que o avião aterrissou, acreditem ou não, eu estava no navio.

A sensação foi a melhor que já senti, desde a segurança do porto, até a do navio, todos eles me dando boas vindas ao pequeno e aconchegante Legend. 
Eu estava de volta a Yokohama, cidade em que eu cresci e tive os melhores momentos de minha vida. 


Ao entrar no navio, não tive tempo nem tempo de ir ao meu quarto para deixar as malas, encontrei meu uniforme, e fui direto ao trabalho, onde me troquei? No "backstage do Anchor's Away Lounge" e fui direto ao "Sail Away party". Foi lá que encontrei Jung, Linda, e todos os outros Cruise Staff...


Esse pequeno contrato foi sensacional, no âmbito profissional e pessoal.
Foi uma pequena temporada que hoje posso dizer, exite um Flavio antes e depois do Legend of the Seas parte 2!